quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017











TRANSPORTE COLETIVO



Escutei boa parte da entrevista dos vereadores de oposição, Osvaldo Grigolo (PSB) Douglas Cenci (PT) e Fernando Maciel (PDT), ao longo da entrevista, os vereadores de maneira muito clara, isenta e objetiva, se posicionaram sobre o aumento concedido pelo conselho municipal de trânsito, e sobre a polemica das paradas e/ou abrigos. A postura dos vereadores, foi de verdadeiros representantes do povo, sem partidarizar, cobram do prefeito uma posição sobre os dois casos, e esclareceram que com relação às paradas, a responsabilidade é do município, conforme clausula contratual entre empresa concessionária e o município de Vacaria, segundo os vereadores, essa obrigação é clara, e esta explicita numa das cláusulas do contrato, Como o executivo afirmou na imprensa, que a responsabilidade era da empresa, fico com uma grande duvida, e gostaria de ser esclarecido, cabe ao prefeito se posicionar sobre o fato, ou será que ao invés do assessor jurídico ler e analisar o referido contrato, essa análise teria sido feita por um dos dois secretários, que concluíram o segundo grau em pouco mais de trinta dias, e que apesar do certificado, continuando sendo analfabetos funcionais, cabe ao prefeito se posicionar, ou ainda pensa que esta em campanha. A desculpa de ter herdado o problema do governo passado, é algo que já não se admite mais, pois da mesma forma que ele aponta os problemas do governo passado, deveria dar créditos as obras que estavam prontas e seus secretários e seu vice aparecem tirando fotos e postando como se as obras fossem do atual governo.

Ainda com relação a essa discussão de responsabilidades, considerando que o chefe do departamento de trânsito por oito anos foi o ex-presidente de seu partido, indicado por ele ao prefeito do PT, e que segundo fontes em Março assume o trânsito após concluir o segundo grau, fica claro a falta de comunicação de seu governo, seria que mais uma vez esse problema é fruto do novo método de concluir o segundo grau.


Na verdade, a responsabilidade é do município e cabe ao prefeito resolver o problema da falta de paradas, afinal de contas mesmo tendo sido eleito por menos de 30% dos votos, por quatro anos cabe a ele a responsabilidade de ao menos tentar administrar o município.


CRECHES


Antes de assumir, o prefeito já tinha conhecimento de uma decisão judicial, que dava prazo ao executivo, para resolver o problema, não obstante a essa decisão, o chefe do executivo falou na imprensa que iria disponibilizar mais 400 vagas; cabe a ele cumprir, a decisão judicial e mais essa promessa, sempre ressaltando que, a campanha já acabou, e hoje qualquer posicionamento do chefe do executivo é oficial, a temporada de promessas ficou lá na campanha.



CORTE NOS GASTOS


O prefeito prometeu em campanha, que cortaria no mínimo 30% dos gastos, incluindo nesse corte o gasto com pessoal, ou seja, com cargos de confiança, os oficiais e os disfarçados, mas que esse corte seria geral e irrestrito. Mas ao que tudo indica, a promessa foi apenas eleitoreira, além de aumentar o número de CC e terceirizados, o prefeito trocou o local de funcionamento da assistência judiciária gratuita, que funcionava no prédio antigo do Ministério Publico, sem custo para o município, e alugou uma sala em outro local pagando aluguel, onerando os cofres públicos, mais uma vez os cálculos deve ter sido feito por um dos que concluiu o segundo grau em tempo Recorde.







SAÚDE


Fiquei sabendo por uma fonte ligada a área médica, que o executivo, demitiu todos os médicos contratados da rede pública municipal, considerando que não existem concursados esperando a nomeação, certamente esses demitidos serão substituídos pelos tais médicos nordestinos, cuja informação eu recebi de dos caciques do atual governo, certamente esse time de médico vem junto com a futura clinica médica que vai se instalar na cidade. Uma boa noticia mais médicos, menos filas, mais saúde, mais vida. Viva!






PP

O partido precisa unificar as informações,pois além de enquadrar o vereador, precisa definir qual a pauta da reunião da sua executiva, o presidente solta uma nota e seu vice solta outra.




3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Para colaborar com sua informação a NOTA que citaste apenas foi um esclarecimento. Pois a executiva não foi chamada em nenhum momento para ser consultada a respeito de tal assunto. Partido político também existe organização e para tal existe uma EXECUTIVA composta por sete pessoas, das quais nenhuma foi consultada. Procedimentos corretos é reunião de executiva para deliberar assuntos atinentes ao partido e posterior expor ao crivo do diretório. Acredito que o Presidente não tenha colocado essa nota na imprensa e sim largaram na mídia algo que pessoas ligadas a política ACHAM QUE PODE ACONTECER.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Perfeito Luciano Ramos, achei meio confusa as notas, em fim o esclarecimento.

    ResponderExcluir